6 maneiras de assumirmos mais responsabilidade pela contracepção como homens

6 maneiras de assumirmos mais responsabilidade pela contracepção como homens

Embora o sexo seguro seja uma responsabilidade tanto para homens quanto para mulheres, desde há muito tempo a contracepção tem sido um dever da mulher.Se os homens se envolvessem tanto na responsabilidade pela contracepção quanto nos envolvemos no sexo, veríamos uma redução na  gravidez não planejada e nas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).
Neste artigo, discutirei a importância do envolvimento dos homens na saúde reprodutiva, bem como formas criativas para assumirmos a responsabilidade de ter relações sexuais seguras, especialmente iniciando esta discussão sem nos sentirmos constrangidos ou incomodados. Se você é homem, preste atenção; e se você é mulher e quer envolver mais seu parceiro neste processo, compartilhe este artigo com ele e inicie uma conversa.

1. Assuma a liderança na discussão sobre contracepção

Os homens tendem a limitar seu envolvimento com as relações sexuais somente ao prazer. Devido à pobre socialização e educação sobre sexo,  , assumimos que como não podemos engravidar, a contracepção não nos diz respeito e é principalmente um assunto de mulher. Porém, esta não é a realidade, pois no caso de uma gravidez não planejada, seremos igualmente responsáveis pelo que quer que aconteça. E mais, as DSTs não diferenciam entre mulheres e homens, e precisamos de contracepção para evitá-las. Por isso é importante que os homens assumam a liderança na discussão sobre contracepção em seus relacionamentos. Fazendo isso antecipadamente, fica mais fácil para ambas as partes tomar a decisão correta.

Cropped shot of an affectionate young couple kissing intimately in their bedroom at home after a discussion about safe sex, birth control and contraceptives

Ao entrarmos neste território, devemos lembrar que a sexualidade é muito influenciada pela cultura e crenças religiosas. Por exemplo, em algumas culturas quenianas, é considerado rude solicitar ou fazer sugestões ou referências sexuais diretamente sem usar alguma forma de eufemismo. Assim, o casamento é chamado de “jiko”, e quando uma menina está grávida, certos grupos étnicos dizem: “a perna da cabra foi quebrada”. Ao discutir sobre contracepção, devemos considerar os antecedentes e crenças de nossa parceira e, dependendo disso, assim como o temperamento de nossa parceira, podemos ser diretos ou humorísticos.

2. Pesquisar e identificar diferentes métodos e prestadores de serviços

Os homens raramente ajudam suas parceiras a escolher o método ideal de contracepção e prestadores de serviços porque nunca estamos envolvidos na conversa sobre contracepção em primeiro lugar.

Quando contribuímos para este processo, isso ajuda a tomar melhores decisões e reduz as chances de escolher métodos anticoncepcionais inadequados.

Esta conversa pode ser mais bem introduzida durante a discussão do método contraceptivo a utilizar. Ao fazer isso juntos, vocês podem aumentar seus laços e, se bem feita, podem até mesmo construir uma antecipação para uma experiência sexual mais íntima.

Young happy african american couple planning family budget together, sitting on sofa at home, using calculator and taking notes about contraceptives and birth control

Dependendo da natureza de nosso relacionamento, há uma variedade de opções disponíveis:

  •  Contracepção hormonal de curta duração, tal como pílulas anticoncepcionais;
  •  Contracepção a longo prazo, tal como um dispositivo intrauterino (DIU);
  •  Contracepção de barreira de uso único, tais como preservativos; e
  •  Esterilização, como a ligadura das trompas (para mulheres) ou a vasectomia (para homens).

Ao definir o método contraceptivo correto, devemos considerar a compatibilidade cultural e as crenças religiosas de nosso parceiro. Um caso em questão é como a maioria dos católicos do Quênia, que constituem 80% dos cristãos, acreditam que o uso de preservativos ou qualquer outro contraceptivo é algo maligno. É uma boa ideia falar sobre isto antes e acordar um método que seja seguro e funcione para ambos.

Há outros aspectos fundamentais a considerar antes, durante e depois de definirmos um método contraceptivo ideal, por exemplo, eficácia, reversibilidade, conforto, conveniência, efeitos colaterais e aceitabilidade do método para ambos. Ademais, precisamos ter planos de emergência ou de backup caso o método normal falhe, por exemplo, no caso de um preservativo se romper.

3. Vá às consultas e pague pela contracepção com sua parceira

Contracepção tem um custo, literalmente! A aquisição de um contraceptivo requer investimento de dinheiro e tempo; como homens, devemos contribuir igualmente para essa despesa. Além da responsabilidade de obter os contraceptivos e sofrer os efeitos secundários, as mulheres também suportam injustamente a carga financeira deles, e o mínimo que podemos fazer por algo que igualmente nos beneficia é acompanhar nossa parceira ao prestador de serviços de saúde e oferecer apoio emocional e financeiro.

young couple discussing birth control options with a doctor

Embora isto nos torne um parceiro responsável, também ajuda a s desafiar normas e estereótipos culturai, , que desprezam as mulheres que compram ou possuem contraceptivos devido ao estigma associado ao sexo e geralmente tornam mais difícil para as pessoas, mesmo quando adultas, discutir abertamente sexo e contracepção. Estas crenças culturais destacam a virgindade como uma forma de pureza e consideram o sexo como perverso. Isto leva à estigmatização das relações românticas e a fortes estereótipos de gênero. A linguagem em torno destes tópicos também é muito reservada. Por exemplo, o recente calão urbano no Quênia se refere ao sexo e aos órgãos sexuais como “vitu”. Isto é swahili para “coisas”. Essa pseudo compreensão sobre o sexo leva a maioria dos jovens a ter seu primeiro encontro sexual  em segredo, medo e incerteza. Expondo-os a riscos à saúde sexual e reprodutiva.

Envolver-se mais no processo de contracepção, educando-nos, tendo conversas abertas sobre sexualidade com nossa parceira, marcando consultas e visitando prestadores de serviços de saúde, planejando consultas futuras e pagando pelo método contraceptivo, são formas de todos nós podermos corrigir esses erros.

4. Ajudar a lidar com os efeitos secundários

Como mencionado acima, os contraceptivos têm efeitos secundários; eles são normais, mas podem persistir por vários meses quando uma mulher começa a usar um novo método. Ajudar nossa parceira durante este período pode facilitar-lhes a lidar com os efeitos secundários e é por isso que é importante conhecê-los de antemão. Às vezes, não sabemos como ajudar porque não temos consciência e nos sentimos desconectados; isto acontece se não estivermos envolvidos no processo desde o início. O envolvimento inicial torna mais natural e esperado falar sobre e lidar com os efeitos secundários.

Happy morning together. Cute young african-american couple drinking coffee in cozy kitchen, panorama, copy space taking care of birth control side effects

Um dos efeitos secundários a se ter em conta é uma alergia ao látex dos preservativos – um dos métodos contraceptivos mais comuns no Quênia. Se nossa parceira for alérgica ao látex, pode sofrer erupções cutâneas e corrimento nasal; e podem usar pílulas antialérgicas; loções calmantes, como calamina; ou um creme anti-coceira. Outro contraceptivo comum é a pílula do dia seguinte, comumente conhecida em todo o Quênia como pílula de emergência, por exemplo, P2 ou Femiplan, e alguns de seus efeitos secundários incluem náusea e sensibilidade dos seios. Podemos fazer chá de gengibre ou cravo com canela e preparar um belo banho quente para ajudar a aliviar os sintomas.

Cada contraceptivo vem com seus próprios efeitos secundários. Fazer parte de todo este processo desde o início nos torna bem informados e equipados para lidar com eles juntos.

5. Considere métodos de contracepção para homens

A maioria dos métodos anticoncepcionais são para mulheres e as pessoas são demasiado inflexíveis para explorar métodos alternativos para os homens. Isto coloca uma pressão adicional sobre as mulheres, mesmo quando elas têm condições de saúde ou dificuldades de acesso à contracepção.

Doctor explain health check document of male patient in medical clinic or hospital mental health. health and doctor concept discussing about birth control

A participação na jornada de contracepção e a busca conjunta de opções nos facilita, como homens, tecer considerações. Atualmente, existem apenas dois métodos contraceptivos disponíveis para os homens: os preservativos e uma vasectomia. Há também pesquisas em andamento sobre a pílula masculina. Isto poderia ser uma grande adição às opções de contracepção disponíveis.

Como um parceiro responsável, devemos procurar os prós e os contras de todos os métodos disponíveis. E optar por um que seja conveniente e que funcione melhor para todos os envolvidos.

6. Lute por melhores direitos para as mulheres e mais opções para os homens

A contracepção e os direitos ao aborto  são inexistentes ou ignorados em muitos países. É importante que os homens elevem sua voz para abordar estas questões a fim de apoiar as mulheres. O ativismo sobre o acesso aos métodos contraceptivos está ganhando força no Quênia. Isto é evidenciado pelo surgimento de grupos como a Kenya SRHR Alliance, um consórcio de 17 organizações e instituições de sociedade civil. Estes grupos trabalham para promover a saúde sexual e reprodutiva e os direitos dos jovens, das mulheres e dos marginalizados.

Cropped shot of a group of friends holding hands for better sexual and reproductive rights

Entrar na luta por melhores direitos é uma forma de os homens fazerem campanha pelo acesso ininterrupto das mulheres aos serviços de saúde. E para buscar mais e melhores opções de contraceptivos masculinos. Podemos fazer isto passivamente, doando a organizações locais, ou ativamente, participando em protestos e atividades de conscientização. Quanto mais vozes tivermos, mais fácil será para os legisladores tomarem decisões favoráveis.

Uma das campanhas atuais que podemos participar online é sobre serviços  Saúde Sexual e Reprodutiva (SSR)  de qualidade, acessíveis e  amigáveis aos jovens. Outra campanha é sobre pedir aos governos locais que aumentem o orçamento relacionado à SSR. O objetivo é melhorar a educação sexual e para a pesquisa de melhores alternativas e contraceptivos masculinos. Tal participação pode mudar o foco das políticas governamentais e ajudar a garantir que os contraceptivos estejam disponíveis e sejam acessíveis para todos.

Quando os homens escolhem intencionalmente uma cultura sexual responsável, eliminamos de forma ativa o medo e a incerteza. Isso nos leva a criar experiências sexuais mais completas com nossos parceiros. Não queremos apenas mais homens falando sobre melhor saúde e direitos sexuais reprodutivos. Queremos todos os homens falando sobre isso.

Tem algo a compartilhar? Deixe os seus comentários abaixo, entre em contato conosco em nossas plataformas sociais: Facebook, Instagram e Twitter ou envie-nos um e-mail para [email protected]. Para mais informações sobre contracepção, visite findmymethod.org

Sobre o autor: Chris Mukasa  é um escritor e um criativo baseado em Nairóbi, Quênia. Ele também é o fundador da Fatuma’s Voice, uma organização comunitária que usa ferramentas criativas como arte, poesia, debates abertos e música, para incentivar a expressão da juventude em toda a África.