Internal Condom (Female Condom) | Find My Method
 

Last modified on Outubro 14th, 2020

  • Dá às mulheres mais controle
  • Boa opção para casais com alergia ao látex
  • Eficácia: melhor quando usado perfeitamente; mais eficaz com espermicida. Quando usados corretamente, 95 em cada 100 indivíduos conseguem evitar a gravidez. Mas a maioria das pessoas não usa o preservativo perfeitamente – se for o caso, apenas 79 em cada 100 pessoas que usam esse método conseguem evitar a gravidez.
  • Efeitos colaterais: geralmente nenhum, mas podem causar um pouco de irritação para você ou seu parceiro
  • Esforço: alto. Você tem que usar um CADA vez que fizer sexo

Summary

Preservativo feminino

Um interno (preservativo – ou feminino – é uma bolsa que você insere na vagina ou ânus. Os preservativos internos (femininos) funcionam da mesma maneira que os preservativos externos (masculinos), exceto que você usa um por dentro em vez de grudar no pênis. Eles mantêm o esperma dentro do preservativo e fora da vagina ou ânus.

Details

Proteção contra IST. Os preservativos internos (femininos) ajudam a protegê-lo contra infecções sexualmente transmissíveis (IST), incluindo HIV.

Preservativos internos (femininos) exigem muito esforço e comprometimento. Você tem que ter certeza de usar preservativos corretamente, todas as vezes, para que eles sejam eficazes.

Seu parceiro se recusa a usar preservativo. Se o seu parceiro não vai usar preservativo, mas você ainda quer proteção contra IST, o preservativo interno (feminino) é uma boa opção.

Nenhuma receita é necessária. Se não puder ir ao médico (ou não quiser), pode sempre usar um preservativo interno (feminino). Eles podem ser muito mais difíceis de encontrar do que outros preservativos.

Bom para pessoas com alergia ao látex. Ao contrário da maioria dos preservativos masculinos, os preservativos internos (femininos) são feitos de plástico ou borracha sintética. Você pode usá-los mesmo se for alérgico ao látex.

How To Use

Preservativos internos (femininos) são fáceis de usar, mas requerem um pouco de prática. Lembre-se, se este for o seu método preferido, você deve usar um CADA VEZ.

Como inserir um preservativo interno (feminino)? [8]

  1. Lave as mãos com sabão e água. Deixe-as secar ao ar, sem tocar em nada.
  2. Coloque um pouco de espermicida ou lubrificante do lado de fora da extremidade fechada do preservativo.
  3. Sentada ou em pé, abra as pernas.
  4. Aperte as laterais do anel fechado e insira-o como um tampão.
  5. Empurre o anel o máximo possível na vagina.
  6. Empurre-o até o colo do útero.
  7. Puxe o dedo e deixe o anel externo pendurado cerca de uma polegada fora da vagina. (Vai ficar um pouco engraçado.)
  8. Se você quiser usar um preservativo interno (feminino) para sexo anal, siga o mesmo processo, mas com seu ânus.

Não se preocupe se o preservativo se mover de um lado para o outro enquanto você estiver fazendo sexo. Se o homem escorregar para fora do preservativo e entrar na vagina ou ânus, remova o preservativo com cuidado e coloque-o novamente. Se ele ejacular fora do preservativo interno (feminino) e na vagina por acidente, você pode considerar a anticoncepção de emergência para evitar o risco de gravidez.

Como remover um preservativo interno (feminino)? [7]

  1. Aperte o anel externo e gire-o para fechar para que o sêmen não vaze.
  2. Puxe o preservativo suavemente
  3. Jogue fora do alcance das crianças. Não jogue no vaso sanitário – é ruim para o encanamento.

Usar um preservativo normal junto com um preservativo interno (feminino) não duplica a sua proteção. Isso apenas torna mais provável que ambos se rasguem.[4]

Dicas e truques: Antes de usar um preservativo interno (feminino), deve-se sempre verificar o prazo de validade e verificar se há rasgos ou furos na embalagem.

Side Effects

Todo o mundo é diferente. O que você experimenta pode não ser a mesma coisa que outra pessoa.

O positivo:[8]

  • Ajuda a protegê-la contra DST
  • O anel externo pode estimular seu clitóris
  • Sem necessidade de receita
  • Pode ser usado se você for alérgica ao látex
  • Pode ser usado com lubrificante à base de óleo e à base de água
  • Permanece no lugar mesmo se o homem perder a ereção

O negativo: [8]

  • Pode causar irritação
  • Algumas pessoas podem ser sensíveis a certas marcas de lubrificante (em caso afirmativo, tente outra marca)
  • Pode reduzir a sensibilidade enquanto você está fazendo sexo
  • Alguns preservativos internos (femininos) podem fazer barulho (mas as versões mais recentes não deveriam fazer)
  • Difícil de lembrar de usar se você bebeu álcool

 

FAQs

Estamos aqui para ajudar você. Se ainda não parecer certo, temos ideias para outros métodos. Lembre-se apenas: Se você decidir alterar os métodos, certifique-se de permanecer protegida enquanto você muda. Preservativos externos (masculinos) oferecem boa proteção enquanto você encontra um método que atenda às suas necessidades.

E se for muito difícil inserir?

A inserção de um preservativo interno (feminino) deve ficar mais fácil quanto mais você fizer. Tente colocar quando não estiver para fazer sexo, para se acostumar.

Ainda não funciona? Se não ficar mais fácil de inserir e você estiver preocupada com as IST, use preservativos externos (masculinos).

Se a proteção contra IST não for uma preocupação para você agora, você pode optar por uma contracepção que não exija a inserção de nada. O DIU e o implante são inseridos em uma clínica.

Experimente um método diferente: implante; DIU

E se ficar preso no pênis de um cara? [10]

Experimente usar um pouco de lubrificante e veja se ainda fica preso.

Ainda não funciona? Se ambos concordarem, mude para o uso de preservativos externos (masculinos). Eles também vão a protegê-la contra IST.

Se você não está preocupada com a proteção contra iST, considere mudar para um método diferente. O anel, o adesivo ou o injetável podem ser boas opções para você.

Experimente um método diferente: preservativos externos (masculinos); adesivo; anel; injetável

Por que o preservativo interno (feminino) faz barulho? [4]

Experimente usar um pouco de lubrificante e veja se fica mais silencioso. As versões mais recentes do preservativo interno (feminino) devem ser menos estridentes, por isso tente usá-las.

Ainda não funciona? Se ele estiver disposto, passe a usar o preservativo. Eles também a protegerão contra IST.

Se as IST não são algo que a preocupe agora, considere mudar para um método diferente. Um DIU, o anel, o adesivo ou o injetável podem ser boas escolhas para você.

Experimente um método diferente: preservativo; DIU

E se um cara sentir o anel interno? [7]

Se um homem puder sentir o anel interno, talvez você não o tenha empurrado o suficiente para dentro da vagina ou do ânus. Tente empurrar um pouco mais para dentro.

Ainda não funciona? Se ambos concordarem, mude para o uso de preservativos externos (masculinos). Eles também a protegerão contra IST.

Se você não está preocupada com IST com este parceiro, você pode optar por um método sem barreiras. O injetável e o implante são altamente eficazes.

Experimente um método diferente: preservativo externo (masculino); implante; injetável

O uso de dois preservativos protege melhor contra gravidez e IST?[10]

Dois preservativos definitivamente NÃO são melhores do que um. Dois preservativos podem criar mais atrito, o que aumenta as chances de o(s) preservativo(s) se romperem.

Se você quiser estar muito segura, use um preservativo e outro método anticoncepcional eficaz.

Experimente um método diferente: implante

Por que o preservativo interno (feminino) fica saliente quando eu me levanto?[10]

Você pode inserir o preservativo interno (feminino) até oito horas antes de fazer sexo.

Se você ficar de pé com ele dentro, o preservativo interno (feminino) pode pender ligeiramente para fora da vagina ou ânus. Se você quiser inseri-lo cedo, mas evitar a cauda, experimente usar uma calcinha confortável para segurar a parte externa do preservativo mais perto do corpo.

 

References

[1] Beksinska, et al. (2015). A randomized noninferiority crossover controlled trial of the functional performance and safety of new female condoms: an evaluation of the Velvet, Cupid2, and FC2. Contraception, Volume 92, Issue 3,. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26002805
[2] Dr Marie Marie Stopes International. (2017). Contraception. Retrieved from http://www.mariestopes.org.au/wp-content/uploads/Contraception-brochure-web-200417.pdf
[3] FPA the sexual health charity. (2015). Your guide to male and female condoms. Retrieved from https://www.victoriaparkhealthcentre.co.uk/website/C82124/files/male-and-female-condoms-your-guide.pdf
[4] IPPF and UNFPA. (2010). MYTHS, MISPERCEPTIONS AND FEARS: ADDRESSING CONDOM USE BARRIERS. New York . Retrieved from http://bibliobase.sermais.pt:8008/BiblioNET/Upload/PDF4/002988.pdf
[5] Mome, et al. (2018). Effectiveness of female condom in preventing HIV and sexually transmitted infections: a systematic review protocol. BMJ Open. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6078242/
[6] Reproductive Health Access Project. (2015). FEMALE/INTERNAL CONDOM. Retrieved from https://www.reproductiveaccess.org/wp-content/uploads/2015/03/factsheet_female_condom.pdf
[7] Society of Obstetricians and Gynaecologists of Canada. (2015). Canadian Contraception Consensus Chapter 5: Barrier Methods. JOGC Journal of Obstetrics and Gynaecology Canada , 37. Retrieved from https://www.jogc.com/article/S1701-2163(16)39376-8/pdf
[8] Shoupe, D. (2016). Barrier Contraceptives: Male Condoms, Vaginal Spermicides, and Cervical Barrier Methods. En D. Shoupe, The Handbook of Contraception: A Guide for Practical Management. Retrieved from http://eknygos.lsmuni.lt/springer/677/147-177.pdf
[9] Ting RS, et al. (2018). A pilot study on the functional performance and acceptability of an innovative female condom (Wondaleaf®) in Malaysia. Open Access J Contracept., 9. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5804018/
[10] World Health Organization Department of Reproductive Health and Research and Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Center for Communication Programs (2018) Family Planning: A Global Handbook for Providers. Baltimore and Geneva. Retrieved from https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260156/9780999203705-eng.pdf?sequence=1
[11] World Health Organization. (2016). Selected practice recommendations for contraceptive use. Geneva. Retrieved from https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/252267/9789241565400-eng.pdf?sequence=1


lang Portuguese